Em escalada de tensões, EUA anunciam mais sanções contra o Irã

Em sua guerra não-convencional contra o Irã, o governo de Donald Trump adotou mais um pacote de sanções contra Teerã como meio de pressionar o regime a recuar em seu programa nuclear e em suas ações no Oriente Médio. As novas medidas afetarão diretamente as operações financeiras do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, conforme anunciado pelo Trump nesta segunda-feira, 24.

Publicidade

Publicidade

“Nós vamos continuar a pressionar Teerã até o regime abandonar medidas perigosas. O Irã nunca terá armas nucleares”, declarou, alegando serem as medidas uma “resposta forte e proporcional” contra a “conduta hostil” do regime.

Trump destacou, porém, não querer o conflito com o Irã ou outro país” e estar “ansioso” pelo momento em que as sanções impostas nesta segunda-feira forem retiradas. Segundo o presidente americano, o Irã espalha “o terror”.

A Rússia reagira preventivamente, ameaçando com represálias aos Estados Unidos. Para Moscou, as novas sanções contribuem para desestabilizar ainda mais o Oriente Médio.

As medidas somam-se às sanções anteriores, adotadas no início de maio, com o objetivo de asfixiar a economia iraniana. As represálias recairiam aos cinco principais compradores de petróleo do Irã – China, Índia, Japão, Coreia do Sul e Turquia – se mantivessem esse comércio. China e Índia continuam a desafiar os Estados Unidos.

Publicidade

Escalada de tensões
As tensões entre Estados Unidos e Irã aumentaram na semana passada, quando um avião não tripulado americano foi abatido pelas forças militares iranianas no Estreito de Ormuz, uma das principais rotas de petroleiros ao Ocidente. Washington alegou que o aparelho voava em águas internacionais. Teerã, que estava em águas iranianas e que não atacara outra aeronave dos Estados Unidos porque era tripulada e poderia transportar passageiros.

O próprio Trump informou que abortara ataques a três locais do território do Irã na quinta-feira 20, como represália, ao saber que causariam as mortes de cerca de 150 civis. A decisão fora tomada 10 minutos antes do bombardeio. Ciberataques americanos a sistemas de computador usados para controlar os lançamentos de mísseis e foguetes do Irã teriam sido autorizados no mesmo dia. O Irã alega que não ocorreram.

O programa nuclear iraniano continua a ser o alvo preferencial do governo Trump, que retirou os Estados Unidos do acordo fechado em 2015 entre o Irã e outros cinco países – Reino Unido, França, China, Alemanha e Rússia. Trump alegou que Teerã não cumpria seus termos – o que vem sendo contrariado pelos resultados de inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) – e retomou sanções suspensas desde a assinatura do acordo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*